SONESP | Sociedade de Nefrologia do Estado de São Paulo

Atendimento : Segunda a Sexta - 8h00 às 18h00
  Contato : +11-5579-1242

Dúvidas Frequentes

Quem é mais propenso a doenças renais?

Os principais grupos de risco para Doença Renal Crônica são os hipertensos, diabéticos e portadores de familiar com Doença Renal.

Qual a estimativa do número de pacientes em hemodiálise no Estado de São Paulo?

Pacientes em Terapial Renal Substitutiva no Estado de São Paulo (dados do ano de 2009):

  • Hemodialise: 19.810
  • DPI: 66
  • DPAC: 630
  • DPA: 1.279

Quais são os sinais de doença renal crônica (DRC)?

A DRC é silenciosa, ou seja: não apresenta sinais nem sintomas nas fases iniciais. A maioria das pessoas não tem sintomas até que a doença esteja em fase avançada. “Se você esperar até que tenha sintomas para ser testado, você esperou tempo demasiado”. É por isso que a maneira mais segura de descobrir a DRC no início é através de exames: urina I e dosagem de creatinina no sangue.

A DRC, quando diagnosticada precocemente , tem tratamento e pode ter cura. Todas as pessoas com risco elevado de Doença Renal Crônica devem realizar exame de urina I e dosagem de creatinina no sangue, pelo menos uma vez por ano, mesmo sem apresentar qualquer sintoma.

Os principais sinais de doença renal crônica incluem:

  • Pressão arterial elevada
  • Inchaço da face e tornozelos
  • Inchaço em torno dos olhos
  • Aumento da freqüência urinária, principalmente à noite.
  • Palidez, cansaço, falta de apetite, emagrecimento.
  • Enjôo, vômitos, principalmente pela manhã.

Quais são os diferentes tipos de doença renal?

Existem quatro tipos de doenças renais, que são os seguintes:

  • Diabetes: representa mais de 40% de todos os novos casos da DRT;
  • High Blood Pressure: (hipertensão) é responsável por 26% de todos os novos casos da DRT;
  • Glomerulonephrities e
  • Cistos.

Quais os principais fatores de risco para doença renal crônica?

Qualquer pessoa pode desenvolver doença renal. No entanto, os diabéticos, hipertensos, familiares de pacientes renais crônicos, portadores de doenças cardiovasculares, pessoas com idade superior a 60 anos e certos grupos populacionais, incluindo africanos, nativos americanos, hispânicos, asiáticos e Ilhas do Pacífico são mais afetados pela Doença Renal Crônica – DRC. Outros fatores como obesidade, aumento do colesterol e triglicerídeos, tabagismo e doenças auto- imunes, uso de antibióticos nefrotóxicos ou antiinflamatórios também podem causar a DRC.

Quais as principais complicações da Doença Renal Crônica?

As Complicações incluem anemia, doenças ósseas, desnutrição, perda da função renal, doença cardiovascular. A evolução da DRC para morte precoce é mais provável do que a evolução para diálise; e isso ocorre em decorrência de um evento cardiovascular, como infarto ou derrame cerebral.

Posso pegar doença renal de alguém que tem isso?

Não! Doença do Rim não é contagiosa. Você não pode pegar de alguém. A maioria das doenças renais são causadas pelo diabetes, pressão arterial alta e condições que podem correr em famílias. Se você é um membro da família de alguém que tem diabetes, pressão arterial alta, ou doença renal, deve pedir ao seu médico para verificar sua pressão arterial e a função renal em seu checkup.

Por que devemos nos preocupar com o colesterol?

A maior partedo colesterol que dosamos no sangue é produzida pelo fígado, mas o encontramos também em alimentos como ovos, carnes, leite e seus derivados. Dentro do nosso corpo, o colesterol é transportado no sangue por lipoproteínas, que tornam a gordura mais solúvel. O problema é que algumas delas podem se depositar nas artérias, aumentando o risco de doenças vasculares.

Na medida em que as lipoproteínas com colesterol se depositam nas paredes das artérias, diminui o espaço para a passagem do sangue e, com o tempo, algumas delas podem ficar totalmente obstruídas. Se isso ocorre, por exemplo, no coração, temos o infarto agudo do miocárdio; se ocorre no cérebro, o derrame cerebral.

Onde é que estamos na luta contra a doença renal?

À medida que a população envelhece, cresce o número de pessoas em risco para desenvolverem DRC e aumenta também o número de portadores da doença. De fato, nos EUA é a taxa de incidência mais altas do mundo – 210 por milhão. No Brasil, a incidência anual é de 141 pmp. Embora a diálise esteja melhorando cada dia mais em todo o mundo, mantendo vivo um número cada vez maior de pacientes, os programas de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento nas fases iniciais da doença, ainda não foram amplamente implantados no Brasil.

A Sociedade Brasileira de Nefrologia – SBN e a Sociedade de Nefrologia do Estado de São Paulo – SONESP estão desenvolvendo um grande esforço para conscientizar a população a respeito da necessidade de prevenção e de diagnóstico precoce.

A melhor esperança para pacientes com DRC e aqueles que se preocupam com eles, é a investigação. Através de pesquisas em ciência básica e genética, nefrologistas hoje estão começando a desbloquear as causas de muitas doenças renais. O Instituto Nacional de Diabetes, Digestivo e Kidney Diseases (NIDDK), prevê financiamento para a maioria das doenças renais em investigação no Estados Unidos. Outras organizações, incluindo a American Society of Nephrology, também financia bolsas para investigação das doenças dos rins. Um compromisso com a investigação é a nossa melhor esperança de reduzir o enorme sofrimento humano e os custos imposta pela DRC.

O que meus rins fazem?

Seus rins são responsáveis por várias funções vitais, incluindo:

  • Remove os resíduos do corpo pela urina
  • Elimina toxinas do sangue
  • Ajuda a regulação da pressão arterial
  • Equilibra o metabolismo de nutrientes: potássio, cálcio e fósforo
  • Elimina o excesso de água corporal
  • Produz hormônios como vitamina D e eritropoietina
  • Elimina medicamentos ingeridos
  • Participa da produção das células sanguíneas vermelhas.

Os rins desempenham várias outras funções essenciais. É por isso que a insuficiência renal causa transtornos clínicos tão graves e o seu tratamento deve ser realizado por especialista qualificado – o nefrologista.

O que é o colesterol? 

O colesterol é um dos tipos mais importantes de gordura do nosso organismo.

Ele está presente em todas as partes do corpo, pois é elemento integrante das células. Além disso, é fundamental na produção de algumas substâncias das quais o funcionamento do organismo depende: os sais biliares, que agem na digestão dos alimentos; a vitamina D, importante na absorção do cálcio; e alguns hormônios denominados esteróides.

O que é insuficiência renal?

Insuficiência renal significa que os rins não conseguem desempenhar suas funções normais e que o corpo já não pode livrar-se de determinadas toxinas e não pode regular a pressão arterial e vários nutrientes. Se os portadores de insuficiência renal grave não forem tratados corretamente, eles podem morrer em poucos dias, devido ao acúmulo de toxinas e líquidos em seu sangue. No Brasil, mais de 13 milhões de pessoas são portadoras de DRC e em torno de 90.000 pessoas têm a doença no estágio 5, que é a fase mais grave e necessitam de tratamento dialítico. Em torno de 40.000 pessoas estão em fila de espera para um transplante renal.

O que é incontinência urinária

Incontinência urinária é a perda involuntária da urina pela uretra.

O que é Hidronefrose? 

Hidronefrose é uma dilatação da via urinária alta (bacinete e ureteres). Quase sempre é determinada por um processo obstrutivo mecânico na via correspondente. Pode ser uni ou bilateral. Quando unilateral sua causa mais comum é a presença de cálculos na via urinaria.

Procure seu médico para diagnóstico e tratamento correto pois pode ser consequencia de vários outros processos patológicos.

O que é a Hipertensão Arterial – Pressão Alta? 

A Hipertensão Arterial ou “pressão alta” é uma doença de múltiplas causas,caracterizada pelos valores da pressão arterial acima dos considerados normais.

As artérias perdem a elasticidade dificultando a passagem do sangue fazendo comque o coração precise exercer uma pressão maior para bombeá-lo. Este esforço reflete em artérias de outros órgãos como rins, cérebro e retina.

O que é a diálise?

A diálise é um processo artificial que substitui as funções dos rins. É utilizado quando o paciente apresenta insuficiência renal grave. Existem dois tipos de diálise: hemodiálise e diálise peritoneal. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia em 2008, 87.044 pessoas eram submetidas à terapia com Diálise no Brasil. Atualmente esse número deve ser maior do que 90.000.

Hemodiálise remove o sangue do corpo e filtrando-o em uma máquina. O paciente está ligado por um tubo que leva seu sangue até a máquinas de diálise. A máquina remove o excesso de água e toxinas do organismo e, em seguida, retorna o sangue de volta ao paciente. Hemodiálise deve ser realizada de 3 a 4 horas, pelo menos, três vezes por semana.

É normalmente realizada em um centro diálise, embora hemodiálise em casa também é possível.

Diálise peritoneal É um processo que utiliza uma solução líquida de limpeza do sangue chamada “dialisato”. Esse líquido é injetado na cavidade peritoneal, a região do abdome que é envolvida pelo peritônio. Enquanto na cavidade peritoneal, o dialisato extrai toxinas e excesso de líquido, do sangue. Após um período de tempo, a solução é então drenada da cavidade abdominal.

Diálise peritoneal pode ser feito durante o dia ou à noite. Diálise peritoneal ambulatorial contínua (DPAC) é o nome dado a este procedimento, quando é realizada em intervalos de cinco horas, quatro vezes por dia.

O que causa doenças renais? 

Diabetes e hipertensão arterial são as duas principais causas da DRC, representando mais de 60 por cento dos casos novos de pacientes em tratamento dialítico. As Glomerulopatias correspondem à terceira causa, seguida de nefrites intersticiais, cistos renais, infecções urinárias de repetição, litíase renal, uso de antiinflamatórios não hormonais, uso de analgésicos e outros medicamentos nefrotóxicos, além de outras causas.

O que acontece quando os rins param de funcionar?

Se ambos os rins param de funcionar os pacientes apresentam Doença Renal grave ou insuficiência renal grave.

O que são pedras nos rins?

Pedras nos rins ocorre quando substâncias como cálcio, ácido úrico e outras, formam cristais na urina. Essa doença é chamada de litíase renal e pode evoluir para Doença renal crônica se a formação dos cálculos for freqüente. As pedras nos rins, ou cálculos renais, podem ser grandes ou pequenas. As maiores podem danificar os rins; se forem pequenos, são capazes de passar na urina. Como os cristais têm arestas, podem ser muito dolorosas, quando são expelidos na urina, causando também cólicas renais. O tratamento depende do que as pedras são feitas.

Em S.Paulo/Capital, em que Hospital ou Instituto pode-se obter atendimento infantil & pediátrico?

Abaixo, alguns endereços em São Paulo / Capital onde há atendimento em Nefrologia Pediátrica:

UNIFESP

RUA BORGES LAGOA – VILA CLEMENTINO – SAO PAULO – SPCEP: Responsável: DR. JOAO TOMAS CARVALHAES – Telefone: (11) 5083.7595  –  Modalidade: CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL

UNIDADE DE DIALISE DO INSTITUTO DA CRIANÇA -HCFMUSP

AV. DR. ENEAS CARVALHO DE AGUIAR, 647 – CERQUEIRA CESAR – SÃO PAULO/SP
Responsável: DRA. VERA H KOCH – Telefone: (11) 3069.8818 FAX: (11) 3069.8690 email: vera.koch@icr.usp.br
Modalidade: CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL, TRANSPLANTE

UNIDADE DE DIÁLISE PEDIÁTRICA DA UNIFESP

RUA LEONARDO NUNES, 115 – VILA CLEMENTINO – SÃO PAULO – SP
CEP: 04039-010 – Responsável: DRA. ZÉLIA MARIA DE ANDRADE
Telefone: 11 – 50839826 FAX: 11 – 50839826 – email: ZELIANDRADE@TERRA.COM.BR
Modalidade: CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL

E quanto a transplantes renais?

Após o transplante renal, os pacientes deixam de necessitar de diálise. Com a descoberta de novas drogas imunossupressoras (anti-rejeição), o prognóstico de sobrevida para a maioria desses pacientes é elevada. Para evitar a rejeição, a melhor fonte de doação de rim é um parente próximo consangüíneo, que seja compatível. Transplantes com doador não vivo também têm elevado taxa de sucesso. Uma fonte crescente de rins para transplantes são os doadores vivos, não parentes, mas com os quais o paciente tem um vínculo emocional, como um esposo, amigo ou colega de trabalho. Devido à melhoria das drogas anti-rejeição, este tipo de doação é promissor e tem demonstrado boas taxas de sucesso.

DRT é caro para tratar? 

Sim. Devido ao grande e crescente número de pacientes confrontados com dependência de longo prazo em diálise, DRT está entre os mais caros para tratar doenças em uma base per capita. Felizmente, desde 1972 o custo da diálise e transplante renal para a maioria dos americanos é coberto por Medicare. Em 1997, o total combinado dos pagamentos directos médicos DRT por fontes públicas e privadas foi estimado em mais de US $ 15 bilhões (último ano para o qual existem dados disponíveis).

Do total de pessoas acometidas, quantos não sabem que têm alguma doença renal?

Mais de 90% dos portadores de Doença Renal desconhecem a sua doença.

Diálise é uma cura?

Não.

Embora a diálise é a vida e permite manter a maioria dos pacientes ao trabalho e realizar muitas actividades normais, dependência de diálise é extenuante, dispendioso e é acompanhado de graves restrições dietéticas e de estilo de vida. Doentes em diálise devem continuamente monitorizar e regular o seu organismo a níveis de sal, proteínas, potássio e cálcio. DRT pacientes também são altamente propensas a fadiga, especialmente imediatamente antes do tratamento dialítico.

Devo consultar um especialista?

Se desenvolver algum destes sintomas, consulte um médico imediatamente. Deverá realizar dosagem de creatinina no sangue e análise de urina I. Se houver alterações nesses exames, deverá procurar um nefrologista. O tratamento da DRC é complexo
e estudos demonstram que as suas chances de sobreviver são melhores se você está sob os cuidados do especialista.

Como prevenir o colestreol alto?

  • Alimentaçãosaudável, exercícios físicos regulares e a otimização da qualidade de vida;
  • Não consumir produtos com gordurassaturadas (que podem aparecer com o nome de

    gordura vegetal hidrogenada ougordura trans);

  • Optar por leite ederivados desnatados ou light;
  • Parar de fumar;
  • Prefirir as carnesbrancas (grelhadas e sem pele);
  • Consumir frutas,verduras, legumes e cereais (em especial o farelo de aveia), pois

    essesalimentos contêm fibras que ajudam a reduzir o colesterol ou diminuem suaabsorção

    pelo intestino;

  • Ter o pesoadequado;
  • Fracionar aalimentação ao longo do dia: consumi-la em volumes menores e em maior

    número derefeições;

  • Incluir oleaginosas (nozes e amêndoas,por exemplo) como parte do padrão alimentar;
  • Controlar o consumode ovo (gema) e frituras;

Como prevenir doenças renais?

É fundamental que se conheça os fatores de riscos de Doença Renal. Evitar ou tratar esses fatores é a única forma de prevenção. Os principais fatores de risco são a hipertensão arterial, o diabetes e doenças familiares, mas obesidade, fumo, uso de medicações nefrotóxicas e outros fatores também podem comprometer a função renal.

Cuidar da saúde global ajuda a proteger a saúde do rim. As práticas recomendadas incluem:

  • Praticar exercícios físicos regulares
  • Dieta com pouco sal
  • Controle de peso corporal
  • Controle da pressão arterial
  • Controle do colesterol e da glicose
  • Não fumar
  • Não abusar de bebida alcoólica
  • Evitar o uso de anti-inflamatórios não hormonais.
  • Realizar uma vez por ano, exames laboratoriais para avaliar a saúde dos rins:

    creatinina no sangue e análise de urina I

dosagem de

Como prevenir a Hipertensão Arterial?

Basicamente levando uma vida saudável. Sugerimos a adoção das práticas abaixo:

  • ·  Manter o peso adequado;
  • ·  Não ingerir bebidas alcoólicas;
  • ·  Parar de fumar;
  • ·  Fazer exercícios físicos regulares;
  • ·  Adotar uma dieta balanceada;
  • ·  Reduzir o consumode sal.

Como os rins funcionam?

Os Rins são essencialmente órgãos de limpeza ou purificação do sangue. Uma artéria do coração leva o sangue para ser purificado nos rins, através de uma rede de milhões de pequenas unidades chamadas néfrons. Os néfrons filtram as toxinas, o excesso de nutrientes e líquidos corporais, eliminando-os sob a forma de urina na bexiga. O sangue limpo e filtrado retorna para a circulação sanguínea corporal, através das veias renais.

As doenças renais atingem aproximadamente quantas pessoas no mundo e no Brasil? Existe um número para o Estado de São Paulo

Estima-se que em torno de 11% da população adulta (pessoas com 20 anos de idade ou mais) é portadora de algum grau de Doença Renal Crônica. Isso representa em torno de 13 milhões de pessoas no Brasil e 3 milhões no Estado de São Paulo.

Em S.Paulo/Capital, em que Hospital ou Instituto pode-se obter atendimento infantil & pediátrico?

Abaixo, alguns endereços em São Paulo / Capital onde há atendimento em Nefrologia Pediátrica
UNIFESP
RUA BORGES LAGOA
VILA CLEMENTINO
SAO PAULO  –  SP
CEP:
Responsável:  DR. JOAO TOMAS CARVALHAES
Telefone:  (11) 5083.7595
FAX:
Modalidade:  CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL
UNIDADE DE DIALISE DO INSTITUTO DA CRIANÇA -HCFMUSP
AV. DR. ENEAS CARVALHO DE AGUIAR, 647
CERQUEIRA CESAR
SÃO PAULO  –  SP
CEP:
Responsável:  DRA. VERA H KOCH
Telefone:  (11) 3069.8818
FAX:  (11) 3069.8690
email:  vera.koch@icr.usp.br
Modalidade:  CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL, TRANSPLANTE
UNIDADE DE DIÁLISE PEDIÁTRICA DA UNIFESP
RUA LEONARDO NUNES, 115
VILA CLEMENTINO
SÃO PAULO  –  SP
CEP:  04039-010
Responsável:  DRA. ZÉLIA MARIA DE ANDRADE
Telefone:  11 – 50839826
FAX:  11 – 50839826
email:  ZELIANDRADE@TERRA.COM.BR
Modalidade:  CONSULTA, HEMODIÁLISE, DIÁLISE PERITONEAL

O que é incontinência urinária?

Incontinência urinária é a perda involuntária da urina pela uretra.